quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Vídeo - Manejo da Horta Agroecológica.

video

Vídeo do Primeiro manejo da horta agroecológica. Breve relato do que vem sendo feito na horta.

Primeiro Manejo da Horta Agroecológica.















Batata doce vem se espalhando.















Pés de mamão vem crescendo bem.















Plantando flores (Maria Sem Vergonha).















Pé de mandioca. (Aipim ou macacheira)




















Bananeiras (musa).



O Primeiro manejo da Horta agro ecológica começou a ser feito. Foram tirados alguns pés de mamão, e foram aparados algumas plantas que estavam tomando lugar de outras que estão começando a crescer. Foram plantados pelos alunos 2 pés de abacaxi, 3 mudas de maria sem vergonha que vão embelezar a horta e um é de mandioca que estava a 4 meses no balde. O planejamento para os manejos seguintes é o plantio de mais feijão, cenoura e algumas plantas que controlem a infestação de caramujos africanos. As 2 bananeiras vem crescendo bem nos fundos da horta e ja vem mostrando um bom crescimento.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Oficina - Reciclagem de papel.



















Misturando os papéis para formação do molho.




















Jogando o molho na bacia.
















Papel reciclado secando.



















papelão de molho
















Tirando a humidade do papel.
Começamos a produção dos novos murais um do projeto Com Vida e outro do meio Ambiente que ficara exposto no refeitório e no corredor da escola. O mural será todo feito com papel e papelão reciclados e reaproveitados.

Objetivo
da Atividade:

Divulgação das atividades do Projeto Com vida durante o ano de 2009, informação de todos da escola sobre os temas relacionados ao meio ambiente e qualidade de vida. A valorização e a prática de 2 rs que ajudam a melhorar o planeta o reaproveitar e o Reciclar.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Compostagem.






O Processo de compostagem continua acontecendo. 2 grandes novas composteiras estão sendo alimentadas a 4 meses e servirão como fornecedora de terra fértil para a espiral em ervas que vai ser construída nos fundos da cozinha.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Plantio da Bananeira.




















Plantando Bananeira (Musa) nos fundos do quintal da horta. Essa semana foram plantadas pelos alunos duas bananeiras uma na horta e uma nos fundos no quintal da horta. Os rizomas (raízes) foram pegos na Agrofloresta da Universidade Rural Fluminense UFRRJ onde o monitor Ângelo Prestes tem vários amigos e conhecidos do GAE (Grupo de Agricultura Ecológica). As mudas foram doadas pelo amigo Daniel Rebuá (estudante de engenharia florestal) durante a vivência agroecológica que foi realizada no último final de semana em seu sítio. Agora é esperar e torcer para ver e daqui a 2 anos essas bananeiras darem os seus primeiros cachos.

Objetivo da atividade: Demonstrar e ensinar como é o plantio dessa fruta tão popular, as caracteristicas da raíz, aprendizado do manejo do enxadão, enxada e picareta de mão, enriquecimento do solo local e o aumento das espécies frutíferas da escola. Saiba a origem da bananeira e suas características no site abaixo.


quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Matéria na Revista Agenda 21 e Juventude.

Artigo de Angelo Ferretti Prestes- Rev. Agenda 21 e Juventude!
UMA COM-VIDA PERSISTENTE QUE VEM COLHENDO SEUS PRIMEIROS FRUTOS. (pág 57)

Em fevereiro de 2008, quando comecei minha atuação no projeto Agenda 21 Com-Vida na escola pelo ColetivoJovem do Rio de Janeiro – CJRJ, na escola municipal Orsina da Fonseca no bairro da Tijuca onde moro, sabia que não seria fácil implementar o projeto, que na teoria é muito bom, mas na prática é uma verdadeira missão cheia de desafios e dificuldades. Ao longo do ano de 2008 fui conquistando a confiança da diretoria, de alguns professores e de vários funcionários da escola, criando o meu espaço dentro da escola aos poucos. A escola é centenária tem 110 anos e tem um grande espaço físico, demonstrando ter potencial para o plantio de hortaliças e até mesmo de várias árvores frutíferas, que tem sido plantadas por mim e pelos alunos do projeto. Inicialmente, o projeto enfrentou dificuldades no período de seis meses em que foi remunerado pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), tais como a ausência de coordenação pedagógica e a realizaçãode várias obras estruturais em diversos espaços, o que dificultou o início do projeto. Apesar dessas dificuldades iniciais, continuei insistindo pelo fato de acreditar na educação ambiental e na diretoria, que desde o início demonstrou boa vontade com o projeto apesar das dificuldades de dar suporte ao mesmo. Foi formada uma pequena turma inicial com seis alunos da quinta série do ensino fundamental que participou do projeto por quase um ano. Ao longo do processo de trabalho, fui fazendo algumas experimentações além do plano de trabalho que a coordenação do Coletivo Jovem de Meio Ambiente me propôs a fazer. No começo, as ações foram o plantio de plantas leguminosas (através doplantio de feijões para adubação do solo da horta, que se encontrava pobre e com nada plantado), plantio de árvores frutíferas, hortaliças, compostagem, preparo de alimentos saudáveis e reutilização de materiais da escola. Aos poucos fui descobrindo o perfil dos funcionários, a realidade da escola, seus pontos fortes, pontos fracos e pontos que podem ser melhorados adequando o projeto à realidade da escola. Desde o início do projeto Com-Vida sempre procurei uma forma de ensino agradável, alternativa, buscando um ensino mais democrático e participativo, chamando os alunos para construírem em conjunto as atividades que são feitas, criando assim um leque variado de atividades tornando as aulas mais atraentes e agradáveis. Em paralelo com o trabalho na escola, fui descobrindo coisas que desconhecia como Agroecologia (através de um grupo de reflorestamento que participo chamado Verdejar, que tem um trabalho baseado na agroecologia e na agricultura natural), descobri a alimentação viva, técnicas agrícolas naturais, os alimentos orgânicos, entre outras novidades que eram desconhecidas para mim e ainda são para uma grande parte da população. Além desses novos conhecimentos que fui adquirindo, passei por grande mudança interna pessoal ao me tornar vegetariano. Com essas profundas mudanças na minha vida pessoal, senti que deveria começar a ter um trabalho mais condizente e harmônico com o meio ambiente e que refletisse a nova realidade que estava vivendo a cada dia. Senti que a mudança e a consciência ambiental não nascem apenas com discursos e sim com atitudes e comecei a implementar nas atividades, tanto teóricas como práticas, esse novo mundo de harmonia ambiental que se abria diante de mim e que deixava de ser desconhecido, se tornando uma filosofia de trabalho e de vida. Vários alunos foram sendo atingidos de forma espontânea por essa experiência junto comigo, tornando assim o projeto educativo tanto para eles quanto ara mim. No segundo semestre do ano de 2008 fiz uma parceria fundamenta lcom meu amigo Geraldo Guimarães, professor de yoga e colaborador voluntário do Projeto Terrapia, que funciona dentro da Escola Nacional de Saúde Pública, pertencente à FIOCRUZ. Esta parceria ajudou muito no projeto, por possuir um grande conhecimento no manejo de hortas e um temperamento apaziguador, o que facilitou muito o meu diálogo com a diretoria, com funcionários da cozinha e na relação dos funcionários com o trabalho realizado na horta. Geraldo também demonstrou várias formas de ter uma vida saudável através da alimentação viva, que é composta de alimentos naturais como frutas, verduras, legumes, grãos germinados que são ricos em energia vital e são consumidos sempre na sua forma natural(crua). No mesmo ano de 2008fiz o curso Biochip na PUC Rio que era voltado a essa alimentação viva só que com enfoque em design (desenhos feitos com frutas, verduras e legumes e grãos germinados) e técnicas de atividades de sensibilização e de resgate de um modo de vida que foi perdido nas grandes cidades durante processo de urbanização. Comecei a entender e sentir, através de uma reeducação alimentar, que educação ambiental em essência vem de dentro para fora e nãode fora para dentro e que a mudança começa no nosso próprio corpo que é o nosso primeiro meio ambiente .Procurei sensibilizar naturalmente os alunos com pratos saborosos e fáceis e serem feitos e com apelo visual que estimulasse os sentidos como olfato, tato, paladar, que estimulasse o senso criativo já que entendo a criatividade como uma característica fundamental num trabalho de educação que eduque para a vida além do mercado de trabalho. Passado mais de um ano de atividades eu já consigo encontrar um ambiente muito mais favorável para mudanças mais concretas, com o surgimento de uma horta selvagem, que foi nascendo aos poucos através da sucessão ecológica e fabricação de terra através das composteiras, que funcionam através da separação do lixo orgânico da escola na qual alunos e funcionários da cozinha e da limpeza da escola participam.A diretoria foi aos poucos se sensibilizando e implementando ações independentemente das minhas, demonstrando uma maior preocupação com a questão ambiental da escola, acabando com copos descartáveis n a salade professores, melhora na infra-estrutura da horta(que antes era um espaço abandonado que servia como depósito de objetos), separação do lixo gerado na escola. Nesse ano de 2009 o proj eto encontrauma nova energia e ambiente escolar mais propício à mudança e a novos desafios para que de fato se torne uma Agenda 21 com a maior participação da comunidade do entorno. Atualmente o projeto se encontra com 20 alunos de várias turmas do turno da manhã inscritos, que vem por mera consideração e vontade própria participar do projeto na parte da tarde. O grupo apresenta uma boa média de presença, demonstrando muita curiosidade e vontadenas atividades que são diversas, desde o plantio na horta, exibição de filmes educativos, visita a espaços educativos do bairro, preparos de alimentos vivos como tortas, saladas, biscoitos, pães e sucos naturais, ações de sensibilização para um consumo consciente entre outras. Ando contando atualmente com a participação de outro membro do Coletivo Jovem de Meio Ambiente, meu colega Alex Bernal, que vem ajudando no trabalho com a horta e com novas idéias. Alguns livros que li foram importantes no processo evolutivo do meu trabalho, como o Manual Orientador da Com-Vida, o livro Educação e Significado da Vida (Krishnamurti), o livro Ciência da Saúde e Boa Alimentação (D. Nicolici) que aborda a nutrição e quais são os alimentos nutritivos essenciais para boa alimentação. A próxima meta é fazer com que o projeto atraia maior participação da comunidade do entorno, que é muito pouca e se resume a datas festivas. A idéia é fazer com que a horta se tone um elo de participação entre a comunidade e a escola, tanto da família dos alunos, de artistas de rua que irão pintar os muros da horta, ajudar no plantio de hortaliças e fazer da horta um espaço educativo e que forneça uma melhor qualidade de vida para escola. Ao longo de um ano procurei registrar e documentar todo o trabalho através de fotos e pequenas filmagensamadoras nada profissionais feitas por mim e meus alunos e parceiros da Com-Vida. Através do uso da internet, que creio ser uma grande ferramenta educativa, criei no início do projeto um blog que pode ser acessado no endereço http://agenda21orsina.blogspot.com, onde são postadas atividades desenvolvidas, sempre procurando divulgar o modode fazer as atividades, exibição de desenhos animados, uma gama de links de sites e blogs relacionados ao meio ambiente, dando um caráter educativo, informativo, tornando-se assim mais que um diário, sendo também uma ferramenta de educação ambiental à distância tanto para os alunos quanto para pessoas interessadas. O processo do blog do projeto vem atingindo várias pessoas, desde os outros colegas educadores ambientais,amigos pessoais, alg uns anônimosda internet. Apesar de não ter nenhum apoio financeiro, há mais de 8 meses continuo fazendo o trabalho driblando as dificuldades através da reutilização de materiais como papel,papelão e plásticos e continuo o projeto com ainda mais vontade que antes por apego pessoal à escola, aos alunos e à educação ambiental, que para mim se tornou muito mais que um trabalho, e pela vontade de tornar a Agenda 21 escolar uma realidade no bairro onde moro, na cidade onde vivo e no planeta que habito.Acredito que a semente vem sendo plantada e espero que ela brote sem criar muitas expectativas em cima do trabalho que é um processo de evolução lento mais constante, e que sempre surpreende a cada dia.

A revista pode ser baixada e acessada no link abaixo.






segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Exibição de vídeos na sala de leitura.

Exibição de filmes educativos na sala de leitura. Objetivo da atividade: Usar recursos audiovisuais como meio de sensibilização ambiental. Fora exibidos os vídeos Cristhian de Lyon, Lead índia e o documentário Planeta Sagrado.